O tucunaré-açu mais barato do Brasil! - Missão Pesca
+55 (11) 99700-3474
Missão Pesca - Agência de Viagens | Eduardo Lacerda

BLOG

O tucunaré-açu mais barato do Brasil!

O tucunaré-açu mais barato do Brasil!

Tucunarré-açu

A diferença entre os valores das operações de pesca do tucunaré-açu ultrapassa fácil os 40%. E o Rio Juma, no Amazonas, tem apresentado uma das melhores relações de custo-benefício. E isso não é uma simples decisão dos operadores. Existe uma série de situações que geram uma variação brutal no investimento do pescador.
Siga a diante neste texto e entenda por que isso acontece. Vamos entender onde está o tucunaré-açu mais barato (valores da temporada 2021/2022).

A primeira coisa que a gente precisa considerar é que para fisgar o gigante tucunaré-açu, você precisa conhecer os rios amazônicos!

Digamos que essa é uma exigência do próprio peixe, conhecido como embaixador da Amazônia.
Aqui no Brasil, o tucunaré-açu (Cichla temensis) só é encontrado na bacia Amazônica. E ainda assim, não é em qualquer rio daquela região. O açu, está exclusivamente na bacia do Rio Negro; na do Rio Branco, em Roraima; na bacia do baixo Madeira; e ainda em alguns rios que ficam entre Manaus e o Rio Uatumã.

Ao todo, existem 15 espécies de tucunaré e todas são originárias da bacia amazônica. Algumas delas foram levadas para outras regiões e se desenvolveram bem. É o caso do tucunaré-azul (Cichla piquiti) da bacia Araguaia-Tocantis. Ele pode ser encontrado em praticamente todas as grandes represas do sudeste.
Mas o tucunaré-açu, que é o maior de todos, não vingou em nenhum local brasileiro fora de sua região original.
Para o biólogo e pescador esportivo, Diego Ricardo Biasoli, a ausência de duas condições básicas podem impedir o desenvolvimento da espécie fora de seu habitat original. Ele explica que

“Além do tucunaré-açu gostar de clima quente ele também precisa de águas ácidas. Sem essas duas condições ele não se desenvolve.”

E vamos então falar de valores. Para isso é importante observar a complexidade de operações de pesca na Amazônia. No rio Negro, a maioria das operações é realizada com barcos-hotéis.
Além de todo o serviço de hotelaria do barco, o pescador precisa de estrutura com voadeira, motor de popa e motor elétrico; segurança; conforto; boa alimentação; bebidas (cerveja, água e refrigerante normalmente estão inclusos e sem limite de consumo); e ainda é preciso ter gelo e muito combustível.

 Uma única voadeira pode gastar até 150 litros numa semana de pesca em busca do tucunaré-açu.

E lembre-se de que, em Barcelos, por exemplo, o litro da gasolina com óleo 2 tempos está quase R$7 reais. A mistura sai quase 40% mais cara que a gasolina que a gente usa em nosso dia a dia.
O diesel também é parte importante da conta. Um barco-hotel chega a utilizar 1500 litros de combustível em uma semana de navegação. Também é preciso ter muitos funcionários.

Se contarmos os piloteiros e a tripulação, um barco-hotel costuma ter um funcionário para cada passageiro.

E tudo isso em regiões distantes, com pouca infraestrutura. Tudo o que você utiliza e consome nas operações de pesca vem de Manaus.No caso do Rio Negro, a base das operações mais próxima está em Barcelos. Tudo o que vai ser usado no barco-hotel chega de Manaus por via fluvial. A logística tem que ser feita com bastante antecedência, já que a viagem da mercadoria leva 24 horas e não é todo dia que o transporte é feito.
E há um custo extra: a necessidade de um barco de apoio. Toda a tripulação, mantimentos extras, gelo e combustível são levados em uma outra embarcação que acompanha o barco principal durante toda a viagem.
Diante de todos esses elementos,

o empreendedor que recebe os pescadores em busca do tucunaré-açu na região de Barcelos consegue trabalhar com valores que se iniciam por volta dos R$ 7,2mil

e se elevam de acordo com o padrão da embarcação, do atendimento e da exclusividade dos rios. Uma semana, nos melhores barcos que operam em áreas exclusivas, pode chegar até R$12 mil.
Os pescadores precisam ainda de um voo extra até a floresta, que muitas vezes não está incluso no pacote, e de um hotel para pernoite em Manaus.
Há vantagens muito interessantes em estar num barco-hotel no Rio Negro. Eu particularmente sou um grande admirador desse tipo de serviço. Mas, aqui, o nosso assunto é a relação de valor envolvendo a busca por um peixe específico: o tucunaré-açu.

E quando o assunto são os custos, os rios que ficam mais perto de Manaus levam vantagem.

Em lugares como o Rio Juma, Rio Urubu, e as pousadas do Rio Uatumã, o acesso é feito por estradas e também por uma rápida navegação.
Isso garante duas economias. A primeira é com hotel em Manaus. O grupo chega no aeroporto, entra numa van e segue direto para a pousada. Isso significa que você não precisa gastar com pernoite na capital do Amazonas.
A segunda economia é com o avião que vai para a floresta. Como estamos perto de Manaus, esse é um dinheiro que você não precisa gastar.

Um dos locais mais próximos de Manaus é o Rio Juma. Com cerca de 2h30 de viagem já estamos no local.

 

Saiba mais sobre esta aventura!

 

No Uatumã, o transfer é um pouco mais longo, mas dura umas cinco horas. A proximidade com a capital traz vantagens para os custos do empreendimento. É possível trazer mantimentos e combustível por preços mais competitivos e com mais autonomia.
A manutenção das pousadas também se torna mais barata, já que há mais mão de obra nas proximidades de Manaus. E é preciso considerar que uma pousada não precisa dos cuidados navais de um barco-hotel. O barco de apoio, claro, também é desnecessário.

Dessa forma,

nos rios que ficam perto de Manaus, os empresários do setor conseguem oferecer o pacote de cinco dias de pesca por aproximadamente R$4,5 mil.

O valor é referente ao mesmo serviço oferecido nos barcos-hotéis, com pensão completa, bebidas à vontade, voadeira, gasolina e guia de pesca.
Uma outra vantagem é que os quartos e as instalações são mais espaçosos que os de um barco- hotel.

 Uma das pousadas que se destacam neste cenário é a Pousada Sol do Amanhã, que fica na entrada do Lago do Maçarico, no Rio Juma.

Com espaço bem aproveitado, ela oferece até mesmo uma piscina para que o pescador possa relaxar com os amigos depois de um dia intenso de pescaria.

 A Pousada Sol do Amanhã também tem outra regalia, a internet para que você se comunique com sua casa e mande fotografias para os amigos.

Por enquanto, a tecnologia ainda não permite esse tipo de serviço nos barcos-hotéis.
O proprietário da Sol do Amanhã, Sérgio Corrêa, explica que as pousadas conseguem atender mais pessoas que um barco-hotel, e isso dilui os custos.
É verdade também que, quando pescamos em uma pousada, há menos mobilidade. Mas ainda assim a área de pesca é grande.

Normalmente, podemos pescar a até uma hora e meia de distância da pousada, isso significa que você terá pontos de pesca espalhados em um raio de até 50 quilômetros de rios e lagos.

A proximidade de Manaus, claro, atrai mais pescadores. Mesmo assim, com a prática do pesque e solte, o rendimento tem sido muito bom. Pescadores exigentes apontam o Juma como um local de absoluta importância para a pesca do Tucunaré-açu.
O pescador uruguaio Damián César, por exemplo, que pesca na Amazônia há cinco temporadas seguidas, diz que “é incrível como o Juma tem muito peixe, e peixe de qualidade”.

É comum que os pescadores do Juma voltem para casa com fotografias de seus peixes de seis, sete ou oito quilos. Um padrão idêntico ao dos melhores peixes de Barcelos.

E, então, nosso texto ajudou você a tomar sua decisão?
Entre em contato, vamos conversar sobre sua pescaria no Rio Juma, uma opção fantástica para ir em busca do tucunaré-açu com um orçamento sensacional. Há vagas para outubro de 2021… o melhor mês!
Texto: Eduardo Lacerda

rio juma rio juma

rio juma

Compartilhe esse artigo

Endereço

Av. Benedicto C. Andrade, 1007 - BL 15, AP 122 - Jundiaí - SP, 13212-070

Telefone

+55 (11) 99700-3474